Tecnologia do Blogger.
RSS

Os riscos da sarcopenia - redução da massa muscular

Aparentemente não corremos nenhum risco com a redução de nossa musculatura, não é? Mas o problema é tão ou mais sério do que as doenças “visíveis” que conhecemos. Nossa massa muscular corresponde em 40 a 50% do peso corporal; as células musculares constituem de 70 a 80% de nossas células, o que corresponde a aproximadamente 50% de nossas proteínas! Veja tamanha importância que temos que dar a ela!
Mas, enquanto temos nossa funcionalidade garantida, não nos preocupamos com a redução do volume e, consequentemente, da força muscular. Pensamos que ganhar músculo é só pra quem deseja ficar “sarado”. O problema é que sem uma quantidade satisfatória de força, há uma redução da mobilidade, aumento da incapacidade funcional, de quedas e o pior, da dependência!
O que acontece é que conforme envelhecemos a redução da massa muscular é maior. Estima-se que, a partir dos 40 anos, ocorra a perda de 5% de massa muscular a cada década, com declínio mais acentuado após os 65 anos, principalmente nos membros inferiores. Esta diminuição ocorre tanto no tamanho da fibra quanto na quantidade de fibras, o que podemos dizer que perdemos tanto em quantidade quanto em qualidade de força e estabilidade para realizar as tarefas mais simples.
Diversos fatores estão relacionados com a sarcopenia no envelhecimento: fatores hormonais, imunológicos, nutricionais e metabólicos. Por exemplo: a diminuição do hormônio de crescimento, dos hormônios sexuais estrogênio e testosterona, do fator de crescimento (IGF1) e resistência à insulina; alterações da ingestão protéico-calórica; aumento de mediadores inflamatórios e distúrbios de inervação, onde as fibras musculares denervadas são substituídas por tecido gorduroso e fibroso. Estas alterações estão relacionadas com a perda ou diminuição funcional, que por sua vez refletem no metabolismo basal, na função renal, na função cardíaca, na capacidade vital e na função pulmonar, potencializando as doenças crônicas como diabetes, hipertensão, osteoporose e obesidade.
Expliquei isso tudo só pra chegar a um ponto: exercícios físicos bem orientados auxiliam no ganho e preservação da musculatura, na regulação de diversos mecanismos hormonais e metabólicos, favorecem um maior dispêndio energético e maiores adaptações às atividades diárias. Ou seja, se você acumular um bom “currículo” de atividades físicas desde a infância, adolescência e juventude, você não terá problemas com a sarcopenia tão cedo. Ainda evita possíveis complicações metabólicas decorrente da inatividade. Por outro lado, se o sedentarismo faz parte de sua rotina, certamente você já está com um déficit muscular, comparado a uma pessoa de mesmo sexo e idade da sua, que pratica exercícios físicos com pesos regularmente... Por isso, sugiro que faça parte de um programa de condicionamento físico, busque a melhora desses aspectos da saúde que, com certeza, sua qualidade de vida será maior e terás maior independência na velhice. Lembre-se sempre: a sarcopenia é reversível, portanto, mesmo que você nunca tenha se exercitado, nunca é tarde para um novo começo!

Referências Bibliográficas:

ARAUJO SILVA, T.A.; FRISOLI JUNIOR, A.; PINHEIRO, M.M.; SZEJNFELD, V.L. Sarcopenia associada ao envelhecimento: aspectos etiológicos e opções terapêuticas. Rev. Bras. de Reumatologia vol.46 no.6 São Paulo Nov/Dec.2006
GONÇALVES SILVA, V. Sarcopenia. Site: Saúde em Movimento. Acesso em 05/12/11.
MIGUEL JR, A. Sarcopenia: perda de massa muscular. Site: Medicina Geriátrica. Acesso em 05/12/11.


Jaqueline Alves Nieto
CREF: 090794-G/SP



  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...